Sobre mim

Olarr!

Meu nome é Janderson Toth e tenho 24 anos. Nasci em Anchieta/ES, mas me mudei ainda pequeno para Guarapari/ES onde vivi até os 15 anos. Com 16 fui morar sozinho no norte do Espirito Santo, na cidade de Aracruz, para cursar o ensino médio técnico em química no Instituto Federal do Espirito Santo(Ifes). O fato da cidade ficar a 3 horas de distância da família e morar sozinho podem ter influenciado na escolha do curso, mas o amor pela área já era claro e cada dia mais surpreendente.

Dúvida cruel de vestibular, naveguei nas escolhas entre química, nanotecnologia, engenharia de biotecnologia/bioprocessos e estudos de mídia/comunicação, ou seja, fiquei entre o medo de ‘perder’ 4 anos de estudos numa área de exatas e a possibilidade de cair num mundo novo na qual era igualmente apaixonado. Escolhi ir para o que me desse a oportunidade de impactar o maior número de pessoas e de ser instrumento de mudança de realidades.

Fui, felizmente, para estudos de mídia na Universidade Federal Fluminense (Niterói/RJ) e, claro, bateu o desespero logo na primeira semana. Praticamente todos os alunos da minha turma tinha uma formação técnica/cursos livres em comunicação, mídias sociais ou audiovisual e eu não sabia como abrir o photoshop. Citando a frase célebre da minha mãe: quando a água bate na bunda, ou você aprende a nadar, ou morre afogado.

Já no primeiro período encontrei um professor que estava montando um escritório-modelo de análise de big data, com foco inicial na Wikipédia. Fiquei mais de 2 anos desenvolvendo esse projeto e paralelamente auxiliando nos clubes do curso, especialmente o gameclube e o memeclube. Desse último veio o interesse nos estudos de memes e o seu potencial como base para a análise de comportamento dos usuários, que percebi posteriormente ser sempre a linha de tudo que eu desenvolvo.

Das horas intermináveis na internet, memeclubes e pesquisas com memes nasceu #MuseudeMemes, voltado para a “investigação sobre o universo dos memes, do humor e das práticas de construção de identidades e representações em comunidades virtuais“, projeto em que pude participar da criação. Como desdobramento desse projeto saiu o capítulo “Monitorando memes em mídias sociais” que pude desenvolver junto com o Prof. Dr. Viktor Chagas para o livro “Monitoramento e Pesquisa em Mídias Sociais: metodologias, aplicações e inovações“.

Em 2017 veio uma mudança um pouco brusca de área de pesquisa, agora voltada para compreender como acontece a circulação cientifica em meios não-hegemônicos, como as redes sociais, realizado no Núcleo de Estudos Estratégicos de Circulação e Políticas Científicas da UFF.

Saindo do meio acadêmico, tive passagens como estagiário de mídia/performance na Incena Agência Digital(2014-2015) e na Avantare Inteligência Interativa(2016-2016). Em 2015 realizei um sonho de dar o start em um projeto pessoal de empreendedorismo na criação de uma startup voltada para o estudo de comportamento e consumo da população LGBT, ficando em 2º lugar na maratona de negócios da Campus Party Brasil e em 1º lugar no Ideation Brasil.

Como eterno apaixonado pelos números acabei me aproximando das áreas de Business Intelligence e Monitoramento, que estou descobrindo ser algo maravilhosamente louco e interessante. Pude trabalhar para as marcas Spoleto, Domino’s Pizza e Koni Store, dentro do Grupo Trigo(2016-2017), e em alguns projetos feelancer para clientes de grande porte e instituições públicas. Atualmente trabalho como Social Listening no Kolab, uma join venture entre a WMcCann e a Flagcx, focada em inteligência de dados para a Coca-Cola Brasil.

É isso… como todo ser nessa terra, a cada dia construindo e desconstruindo saberes e buscando ser uma pessoa melhor. 😀